fbpx

A decisão de mudar de país pode ser motivada por diferentes fatores. O processo envolve um misto de euforia pelo novo e preocupações em razão de todas as providências que devem ser tomadas. E, em meio a tudo isso, precisamos encontrar formas de sentir-se em casa.

 

Neste post, quero apresentar algumas ideias que podem ajudar você a driblar todas as dificuldades de estar distante de sua pátria e dos rostos conhecidos e sentir-se mais acolhida onde quer que esteja. Para isso, me baseei em  minhas próprias experiências como expatriada e nos relatos que recebo das minhas clientes (Coachees), queridas mulheres que também mudaram de país.

Entendendo a situação

As primeiras semanas após a chegada no país de destino costumam ser atribuladas, guiadas pelo aspecto burocrático e prático da mudança. A necessidade de encontrar um lugar para ficar e/ou colocar a casa em ordem. Quando temos tempo para respirar, começamos a esbarrar em algumas dificuldades relacionadas às diferenças culturais e à saudade daqueles que deixamos para trás.

 

É comum o sentimento de ser um “peixe fora d’água”, que ainda não sabe o que fazer para se encaixar no novo país. Por vezes, quem ainda está desenvolvendo a fluência no novo idioma também encontra dificuldades para se comunicar e passa a se sentir ainda mais isolada.

 

A ausência de tudo o que nos é familiar, o fato de voce ainda nao fazer parte de uma comunidade e a dificuldade da criação do sentimento de pertencimento são a essência do problema de não sentir-se em casa. Entender isso é importante para que tenhamos clareza da situação e possamos enxergá-la como passível de ser solucionada.

Mudança de mindset

Enxergar um outro país como a nossa casa é algo que depende mais de nós mesmos do que das pessoas ao nosso redor. Somos nós que precisamos nos libertar da expectativa de encontrar um cenário similar ao do país de origem e abrir o coração para conhecer e abraçar uma nova cultura.

 

Quando me mudei da Índia para o Texas, em 2011, passei por um período em que não me sentia em casa. Tudo me incomodava, eu me sentia pesada, triste, desanimada! Uma experiência bem diferente da vivida na Índia, onde eu tive facilidade para me sentir acolhida.

 

Refletindo sobre isso, me dei conta de que precisava deixar de lado qualquer comparação e julgamento, mudar meu mindset e me abrir para conhecer aquele novo lugar que estava morando, sua cultura e sua gente. Decidi por essa mudança porque percebi que era a minha atitude perante o novo país que estava errada, que estava me privando de me sentir em casa mais uma vez.

 

Ao abrir mão de expectativas, ser mais leve e tolerante, vi meu sentimento em relação ao Texas mudar. Gradativamente, escolhendo encarar cada dificuldade de forma mais positiva, e questionando o que tinha para aprender com aquela situação, fui me sentindo mais aberta, mais disposta para conhecer a cultura, fazer novas amizades e criar um ambiente que me permitisse dizer “estou em casa”.

Dicas para sentir-se em casa em qualquer lugar do mundo

Além da mudança de mindset, existem outras ideias que eu gostaria de compartilhar com você. Colocá-las em prática vai ajudá-la a encontrar recursos para se libertar de pensamentos pessimistas e repetitivos, quebrar esse ciclo negativo para se abrir ao novo. Veja só:

 

  • Decida que você está em casa! Mudanças podem não ser definitivas e, quer a sua tenha ou não um prazo determinado, a decisão de dizer para si mesma que aquela é sua nova casa pode fazer a diferença.

    Ficar presa à ideia de que a mudança é temporária ou que, por algum motivo, sua vida pode mudar de novo a qualquer momento afasta a sensação de que é preciso criar raízes. É mais fácil sentir-se em casa ao se desapegar da sensação de ter deixado a “verdadeira casa” para trás;
  • Explore! Sempre que puder, planeje sair de casa para conhecer sua nova cidade. Descubra locais que você gostaria de frequentar e visite-os. Se, no país de origem, você praticava yoga ou gostava de ir à cafés, inscreva-se em uma aula de yoga no novo país ou planeje ir aos cafés próximos algumas vezes por semana.

    Essa decisão vai ajudar você a incluir um pouco mais de familiaridade em seu dia a dia e vai ajudá-la a se sentir cada vez mais à vontade em sua nova casa;
  • Conheça pessoas e se relacione! Seres humanos são seres sociais, habituados a viver em grupos. As relações nos são importantes e podem nos ajudar muito quando mudamos de país.

    A interação com gente do novo país vai ajudar você a conhecer mais sobre a cultura local e ir aprendendo como se encaixar ali. Outra estratégia é tentar encontrar mais expatriadas e formar um grupo de apoio com quem conhece as mesmas dores e dificuldades, porém acredito que uma opção não substitui a outra.

Conte comigo!

Por fim, mas não menos importante, lembre-se de que pode contar comigo. Como expatriada, coach transformacional e terapeuta holística, estou pronta para ajudar você a vencer os desafios de mudar de país e sentir-se em casa onde quer que esteja.

 

Conte-me sua jornada, suas experiências, seus medos e descobertas. Estamos juntas nessa jornada, rumo a uma vida mais feliz, leve e ativa!

 

E lembre-se de que este blog também é um espaço seu. Tem algum tema que você gostaria que eu abordasse por aqui? Deixe sua sugestão nos comentários!

 

Gratidão,

Tamara Lopes